Observação de aves no jardim

*Matéria publicada na Revista do Tatuapé em 2010

Deixe as aves voarem

Se você gosta de pássaros, faça um jardim que atraia as aves e esqueça as gaiolas

Por Maisa Infante

O barulho e o concreto da cidade grande nos faz ter a impressão de que, por essas paragens, não há chance de se ver pássaros bem de perto voando por aí. Claro, os pássaros não foram feitos para se divertir e encontrar alimento no meio do cimento. Mas, por mais incrível que pareça, quem mora na cidade também pode se dar ao luxo de ter um sabiá-laranjeira, sanhaço, periquito e até um pica-pau-de-cabeça-amarela cantando bem no seu quintal. Para isso, basta estimular os pássaros com frutas espalhadas pelas árvores, ou mesmo no chão, ou ainda montar um jardim com plantas que atraem esses animais. Quem já experimentou garante que vale a pena ter a natureza tão mais perto assim.
O professor de biologia Carlos Humberto Biagolini é um bom exemplo. Inspirado em um vizinho, ele começou a colocar bandejas com frutas no jardim para atrair pássaros em sua casa, na Vila Guilhermina. Quando começou a ver sabiás, bem-te-vi e periquitos no quintal, não hesitou em levar o projeto para escola onde trabalhava. Hoje, alunos da Escola Estadual Reverendo Urbano de Oliveira Pinto, na Cidade A.E Carvalho, não usam apenas os livros para aprender mais sobre as aves. Afinal, podem vê-las bem de perto durante quase o ano todo. O projeto existe desde 2007 e, para colocá-lo em prática, o professor criou um sistema em que instala bandejas com alimentos (frutas e farelos) nas árvores para atrair os pássaros e estimular a observação. “Os resultados obtidos mostram que a cidade de São Paulo, principalmente os bairros mais arborizados, abriga inúmeras espécies de aves que podem ser observadas mediante a oferta de alimentos. Durante dois meses, a gente monitorou o espaço da escola e não observou nenhuma ave. Depois que começamos o projeto, já observamos sete espécies diferentes. Sem contar que o aprendizado relacionado a questões ambientais é muito melhor do que se o assunto for apenas tratados de forma convencional, através de aulas expositivas”, avalia o professor.

Na cidade de São Paulo, estima-se que exista mais de 300 espécies de aves que podem ser observadas praticamente o ano todo. “Dependendo da região, se for bem arborizada, é possível atrair uma grande variedade de espécies como periquito-rico, sanhaço-cinzento, cambacica, beija-flor-tesourão, saíra-amarela, sabiá-laranjeira, rolinhas e sanhaço-do-coqueiro. Além destes, que aparecem nos comedouros com um quintal bem arborizado, outras aves que não utilizam os comedouros podem se tornar frequentadoras do jardim como alma-de-gato, o pica-pau-de-cabeça-amarela, risadinha, relógio e pitiguari”, explica Tatiana Pongiluppi, assessora em Educação Ambiental da BirdLife/SAVE Brasil (Sociedade para a Conservação das Aves no Brasil).

Se você quiser experimentar ver e ouvir aves em sua casa, vale a pena investir um pouco de tempo na preparação do espaço. E paciência também. “Algo muito importante neste caso é ser paciente, pois não será logo no primeiro dia em que se coloca comida no comedouro que as aves irão aparecer. Elas demoram alguns dias até perceber que tem comida em um determinado local”, explica Tatiana. “Os pássaros são cismados e podem achar que tudo é armadilha. Então, é preciso ter paciência até elas eles verem que não é isso”, completa Carlos.

As espécies frutíferas e as com néctar são as que mais atraem os pássaros. Podem ser plantadas, por exemplo, pitanga, ipê, jacarandá, hibisco, goiaba, paineira, helicônia, ingá, amora, magnólia e capororoca. Enquanto seu jardim não cresce, você pode espalhar comedouros pelo quintal (são vendidos em lojas ou podem ser confeccionados) e bebedouros para beija-flor. Sem esquecer de higienizar diariamente tanto os comedouros quanto os bebedouros. As frutas mais utilizadas para atrair os pássaros são banana, mamão e goiaba. Os grãos que podem ser servidos são o painço, semente de girassol, alpiste e quirela de milho.

Uma dica da ornitóloga (especialistas em aves) Tietta Pivatto é disponibilizar, no jardim, água e poleiros, porque há espécies que gostam de pousar próximo do comedouro para verificar o local antes de se alimentar. “Além da limpeza constante dos bebedouros e comedouros, fique de olho nos predadores urbanos como gatos, gambás, ratos e cachorros”, alerta.

Além de montar um jardim com plantas que atraiam as aves (veja quadro abaixo), quem quer observar os pássaros deve prestar atenção em seu próprio comportamento. Desligar o rádio ou a televisão é um bom começo e vai ajudá-lo a apurar os ouvidos para o canto daqueles pássaros que passam todos os dias pela sua janela e você nem presta atenção por causa dos barulhos da cidade e da sua própria casa. Os horários mais recomendados para a observação de aves são o período da manhã e da tarde. “É sempre bom utilizar uma roupa com cores discretas e caminhar em silêncio com os ouvidos e olhos atentos para localizar as aves. Ao encontrar uma, é sempre bom prestar muita atenção em cada detalhe, tamanho, cor do bico, coloração do corpo etc. Além disso, o comportamento também é importante de ser observado, se a espécie estava no chão, na copa das árvores, como se movimenta, entre outros. Prestando atenção neste conjunto de características e anotando tudo em uma caderneta de campo, posteriormente é possível identificar a espécie observada”, explica Tatiana.Para quem quiser fazer uma observação mais aprofundada, é possível utilizar alguns equipamentos como binóculos, câmeras e guias de campo. “Os guias de campo auxiliam muito na identificação das espécies e, para São Paulo, temos um guia ótimo para levar durante a observação de aves. É o Guia de Campo: Aves da Grande São Paulo. Além disso, existem vários sites que podem ser consultados”, explica Tatiana.

De fundamental importância para a manutenção dos ecossistemas, as aves não foram feitas para ficarem engaioladas. Além de dispersar sementes, polinizar e controlar insetos, elas são consideradas ótimos indicadores da qualidade do ambiente, funcionando como um termômetro da qualidade ambiental. “Além disso, as aves são admiradas por muitas pessoas, tanto por seu canto quanto pela beleza, sendo, desta maneira, importantes para a contemplação. Ter aves em gaiola contribui para diminuir os serviços ambientais prestados por elas. Além disso, algo muito importante que deve ser ressaltado é que a ave é um ser como qualquer outro e o seu direito de ir e vir deve ser respeitado. As pessoas gostam de contemplar as aves, por isso muitas as colocam em gaiolas, mas devemos atentar ao fato de que existem outras maneiras de contemplá-las sem precisar prendê-las”, avalia Tatiana.

Dicas para fazer um jardim de aves*
1. Se o espaço for grande, comece planejando o plantio das árvores grandes e de grandes copas. Pense primeiro naquelas que têm frutos grandes, como os de pomar (abacateiro, mangueira etc.). Lembre-se de deixar algumas frutas nos pés para as aves. Também deixe algumas caídas sob as árvores.

2. Continue com árvores médias que dão frutos. Onde houver fiação elétrica aérea ou encanamentos subterrâneos é preciso escolher espécies adequadas, de pequeno porte (máximo de 10 metros), para não atingir os fios, e de raízes axiais e profundas, para não prejudicar encanamentos ou calçadas.

3. Espaços pequenos poderão ser preenchidos com árvores altas, porém com copas estreitas como as palmeiras (Palmae). Com o mesmo porte são o mamoeiro e as embaúbas, altamente atraentes.

4. Continue com as cercas vivas: alterne flores com néctar (não esqueça o malvavisco, que floresce durante todo o ano) com produtoras de pequenos frutos.

5. Gramados: deixe florescer e frutificar pelo menos uma parte, sem aparar (produzem sementes atrativas).

6. Termine com as floreiras e vasos: o maior número possível de flores com néctar.

7. Se ainda houver espaço, plante também na calçada. Contate o setor de arborização da prefeitura para orientar-se sobre as espécies mais adequadas para esse espaço, mas exija que seja uma espécie atrativa para aves.

8. Considere que muitas plantas, mesmo tendo um porte maior, podem ser podadas, adequando-se a espaços menores.

*Fonte: Centro de Estudos Ornitológicos

Saiba Mais
http://www.savebrasil.org.br
http://www.bonitobirdwatching.blogspot.com
http://www.wikiaves.com.br
http://www.ceo.org.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s